E-Consulters Web - Hospedagem Premium

O que é o tripé-macroeconômico e como se aplica na macroeconomia?

Entenda o famoso ''Tripé-Macroeconômico''
0

Afinal de contas de que se trata esses termos?

Porque o “Tripé” é tão defendido e utilizado nas agendas liberais ortodoxas, ao mesmo tempo que é quase que odiado por campos da economia progressista que buscam flexibiliza-lo ou até extingui-lo?

MACROECONOMIA

Primeiro devemos entender o conceito da macroeconomia.

A macroeconomia é uma das divisões da ciência econômica dedicada ao estudo, medida, e observação de uma economia regional e nacional como um todo.

CONTEXTO HISTÓRICO

Ela surge num contexto de domínio das economias mercantilistas, fazendo oposição a essa vertente.

Dois tópicos principais do mercantilismo eram criticados pelos teóricos clássicos, primeiro o metalismo (Crença de que uma nação só seria rica e poderosa, se possuísse metais preciosos., e a outra era a crença Hobbeana de um Estado interventos e forte em todos os sentidos.

ADAM SMITH

Adam Smith foi o primeiro teórico a criar uma doutrina macroeconômica, com a publicação do seu livro mais célebre e para muitos o mais pioneiro “A riqueza das nações” no ano de 1776, dando assim início a ciência econômica.

TRIPÉ-MACROECONÔMICO

O tripé-macroeconômico é a base para uma economia de livre-mercado forte. Ele se divide em três partes que tornam a economia de cada país que a adota estabilizada.

DIVISÕES:

1- Câmbio Flutuante: O valor da moeda “X” varia de acordo com a cotação atual do dólar no mercado.

CONTEXTO DE INSTALAÇÃO NO BRASIL:

Após o plano real (1994), a taxa de câmbio foi fixada, fazendo R$1,00 valer US$1,00. O problema de manter o câmbio fixo nesse valor é que o Banco Central precisava fazer constantes intervenções na taxa de câmbio.

Após o ano de 1999, com sucessivos aumentos na inflação interna, e especulação desenfreada na desvalorização da moeda brasileira, o país largou o câmbio fixo e adotou o câmbio flutuante, um dos pilares do tripé.

2- Metas de inflação: As metas de inflação no Brasil são representadas pela taxa SELIC, que é a taxa média dos financiamentos diários apurados. Ela que ajusta os valores dos títulos do tesouro nacional.
(Atualmente a taxa Selic no Brasil está em 6,5%.)

3-Meta fiscal: Essa meta é definida pelo congresso nacional anualmente, por meio da Lei orçamentaria anual (LOA).
Atualmente além desse princípio do tripé-econômico, existe também a PEC 241/55 (PEC do teto), que de maneira constitucional obriga o executivo a controlar seus gastos no país.

A IMPORTÂNCIA DO TRIPÉ

Mexer em um desses três pilares é abalar economicamente o país, pois ela previne uma inflação galopante, mantém o real como moeda valorizada e forte, além de controlar gastos internos.

*No Brasil o tripé-macroeconômico começou a vigorar a partir de 1999,no início do mandato de FHC e persiste até hoje.

Deixe seu comentário