E-Consulters Web - Hospedagem Premium

A cultura em choque

0

Uma palavra para definir o papel realizado pelo ex-secretário da cultura, Rodrigo Alvim, é VERGONHA. Antes de colocar a culpa em terceiros, a estética do vídeo já era motivo de protesto por fazer recordar regimes autoritários do século passado. Sua chegada a secretaria foi vista com bons olhos, era alguém do meio artístico e até então alinhado com o conservadorismo do governo.

Não podemos culpar a esquerda a cada falha do governo, há alguns comentários que relaciona o ex-secretário como alguém “perdido” nas últimas semanas. Se existia qualquer desconfiança em torno do comportamento de Alvim, por quê a insistência de mantê-lo no cargo? Será que os “colegas” não perceberam mudança de comportamento e ao invés procurar ajudá-lo, colocou sua cabeça na bandeja e o risco de uma crise sem precedentes do Governo Bolsonaro, seja na política interna ou externa? Fica a pergunta!

Além da resposta rápida na sua demissão, o próprio Rodrigo em entrevista pouco antes de ser demitido, afirmou que escreveu e “adaptou” algumas frases. Derruba mais uma narrativa de um possível sabotamento. Jair Bolsonaro também poderia ser mais enfático na repulsa ao vídeo, no mínimo uma coletiva ou pronunciamento em rede nacional para afastar qualquer rumor de simpatia a ideologia da morte, o nazifascismo. Não existe espaço para apologia de regimes totalitários em pleno século XXI.

Por mais que o governo seja democrático como tem sido, tenha adotado medidas liberais, reduzido números de homicídios inclusive contra a comunidade LGBT’s, a narrativa já foi criada e carimbada pela esquerda, qualquer problema que acontecer no governo será motivo de histeria por parte da oposição. Esse último episódio, neste caso deve ser sim repudiado, mas falta de pauta da oposição, ela terá a mesma proporção de qualquer outro no campo econômico.

O Brasil têm aos poucos voltado a trilhar o caminho do sucesso, e as chamadas “caneladas” do presidente, podem atrapalhar esse caminho. Porém, erros são comuns e há soluções para a correção deles.

A autocrítica é uma delas. Lembrando que o PT não vai voltar ao poder se a direita souber assumir os erros e reconhecer que errou.

Toda blindagem e atitude necessária para o crescimento do país deve ser utilizada, pois, a grande mídia não diminuirá seus esforços para atacar o governo e desmerecer seus feitos.

Deixe seu comentário